28 dezembro 2011

As meias e os pés

Dificilmente um principiante na prática do montanhismo, dará a devida atenção às meias que usará para esse fim. Na sua maneira de pensar, será preferível comprar material técnico e poupar no preço que pedem por um par de meias, pois pode-se remediar a situação com umas meias vulgares, além de que não fazem a menor ideia do tipo de meia apropriada para usar em cada actividade. Esta ideia está errada, claro, mas por desconhecimento esse amador concerteza irá aprender a lição da pior forma.

Convém frisar que não adianta comprar uma boa bota de montanha e descourar uma boa meia, pois com uma meia fraca, rapidamente os pés ganharão bolhas, e ficarão humedecidos gelando e tornando uma actividade que deveria ser um prazer, num grande martírio e tortura.

Os pés necessitam de cuidados especiais, se pensarmos que é uma das partes do corpo mais importantes para que qualquer actividade de montanha seja bem sucedida. Não podemos deixar que a sua importância seja apenas evidenciada quando surgirem problemas, precisamos de pensar mais carinhosamente nos nossos pés. As meias são responsáveis pelo conforto e segurança dos pés do montanhista, tanto como o calçado utilizado.

O uso diário de calçado apertado e inadequado, pode provocar em alguns casos, o aparecimento de enfermidades na pele ou outros problemas, como micoses, frieiras, pé de atleta, bolhas, bursite, calos, rachaduras no calcanhar, dores na sola dos pés, alguns oriundos de infecções por fungos resultantes da humidade e podendo inclusivé surgir problemas ósseos.

Os pés precisam de respirar e ficar distantes da humidade, e para que isso seja possível, a escolha de calçado adequado aliado a uma meia tecnicamente apropriada é fundamental. Evite botas totalmente impermeáveis se forem usadas por longos períodos, pois se pensarmos que a água não entra, temos que ver que na maioria dos casos, o suor também não sai e então estaremos a prejudicar seriamente os nossos pés.

Nos primórdios das escaladas, e até à pouco tempo atrás, os montanhistas usavam meias grossas de lã, que no entanto são um espectacular isolante térmico e que mesmo hoje é difícil superar as suas características naturais. No entanto as coisas evoluem e claro, as meias não escaparam a esta evolução.

Actualmente as melhores meias são fabricadas em Coolmax, ou diferentes combinações de Lã de Merino e Coolmax. Embora existam diferentes tipos de Coolmax, todos têm mais ou menos as mesmas características e produzem o mesmo efeito.

Actualmente as empresas que lideram o mercado das meias são diversas e contam-se entre outras a Lorpen, a Wigwam, a Fox River, a Thorlo, a Solo, a Curtlo, a Kailash, a Quéchua, Accapi, Bluehills, Boomerang, Boreal, Bridgedale; Eurosock, Hi-tec, Joluvi, Mico, Mund, Smartwood, Thorlo, etc.

Tipos de fibras têxteis

Os materiais com os quais são fabricadas as meias classificam-se em dois grupos distintos, os de fibras naturais e os de fibras sintéticas.

Fibras naturais

Apesar da variedade de tipos e marcas de meias que se encontram hoje em dia, há quem defenda que as boas meias de lâ continuam a ter as suas vantagens.

No entanto também existe quem defenda que as meias confeccionadas em algodão, embora aparentem ser mais confortáveis, não são adequadas para desportos de montanha.

Este tipo de meias não são aconselhadas quando se trata de ambientes de clima quente e húmido, porque as fibras do algodão possuem a maior capacidade de absorção de humidade de todas as fibras existentes, podendo absorver até 30% do seu peso em humidade, e neste caso o suor eliminado pelos pés ficará retido na meia até atingir o ponto de saturação, criando um ambiente favorável para a proliferação de microorganismos e fungos, além de que os pés ficarão envolvidos num material pesado e de difícil secagem.

No entanto, as meias de lã, são indicadas para locais de clima seco e frio, para actividades normais onde o seu uso não será prolongado por mais que um dia no máximo, porque desta forma o pé ficará livre de humidade, uma vez que o suor do pé será absorvido pela lã. A lã é elástica, absorve bem o suor e mantém os pés resguardados, inclusive quando estão molhadas. A razão para isto é que a superfície peluda da lã retém o ar, mesmo quando molhada. A lã sêca absorve o suor e permite que a pele transpire e elimine a humidade, mantendo a superfície razoavelmente sêca. Um par de meias grossas de lã, com outro par mais fino por baixo, também de lã, formam uma boa combinação.

Fibras sintéticas

As fibras sintéticas apresentam uma série de características importantes. Entre as diferentes denominações tecnológicas de fibras têxteis encontramos o poliéster, a poliamida, o polipropileno, o acrílico entre muitos outros. No entanto todos possuem uma das características mais importantes que é a acção antibiótica de carácter permanente, isto porque estes materiais são hidrófobos, ou seja, não retêm a água, o que resulta num material que não favorece a instalação e proliferação de fungos e bactérias.

Tecnologia da tecelagem

Devemos também considerar a importância da tecelagem no processo de fabrico das meias, pois em certos modelos de meias o tecido possui a trama e a espessura diferenciada, tudo realizado num processo sem a necessidade de costuras. A importância disto é visível nas meias, onde são criadas zonas com funções específicas, como de absorção e de eliminação de humidade, assim como de textura onde se dividem as zonas de amortecimento e acolchoamento.

Desenvolveram-se duas novas tecnologias para maior performance e conforto das meias, a LIFEFIT (tecnologia aplicada à tricotagem das meias) e TRILAYER (tecnologia aplicada aos fios). Além disso são utilizados diversos tipos de fios, naturais e sintéticos, específicos para condições e climas diferentes.

Tecnologia LIFEFIT

Na tecnologia LIFEFIT são diferenciadas as estruturas de fabrico das meias masculinas e femininas, sendo que nesta última a meia adapta-se perfeitamente aos pés femininos, pois possui as partes da frente e de trás mais estreitas. Ambas possuem as seguintes características:



1. Lycra Plus – 10% de Lycra na estrutura da meia, fazendo com que ela se ajuste perfeitamente ao corpo. Evita que a meia fique larga e deslize saindo do seu lugar.

2. Multi Density Knit – A meia possui densidade (acolchoamento) diferentes para cada parte, conferindo maior conforto ao pé.

3. Mesh Instep – Sistema que permite uma melhor fixação da meia ao pé, diminuindo a sua espessura e melhorando a ventilação, o que diminui o acumular de temperatura nos pés.

4. Narrow Heel+Forefoot – A meia adapta-se perfeitamente aos pés femininos, pois possui as partes da frente e de trás mais estreitas.

5. Flat Knit Toe Seam – A biqueira da meia é unida ponto a ponto com o seu lado contrário sem fazer relevos que possam incomodar os dedos, resultando em máximo conforto.



Tecnologia TRILAYER


Na tecnologia Trilayer, as três camadas de fibras diferentes combinam-se para uma melhor performance. A primeira camada ou, camada interna, é constituída de fibra sintética Coolmax, no qual a humidade dos pés passa através desta camada para a segunda camada, deixando os pés livres de humidade.

A segunda camada ou, camada intermédia, é constituída de fibra natural, variando entre Tencel e Lã de Merino, dependendo da aplicação. Todas são hidrófilas, tendo a propriedade de absorver a humidade e deixa-la evaporar facilmente. O Tencel é mais usado para Primavera e Verão, enquanto a Lã Merino é mais recomendada para Outono e Inverno. O Tencel também é um anti-bacteriano natural, inibindo a proliferação de microorganismos.

A terceira camada ou, camada exterior, é constituída por fibras de Poliamida, mais conhecido como nylon, e representa a protecção contra a abrasão.






Para cada actividade existe uma meia específica


Existem diversas e diferentes linhas de meias, para Outdoor, Multisport, desportos de inverno, etc, cada uma voltada para as necessidades e exigências de cada gama desportiva.



Na linha Outdoor, as meias são desenvolvidas para uma grande variedade de actividades ao ar livre, desde caminhadas mais leves a expedições em alta montanha. São classificadas como Hicking, Trekking e Expedition e de acordo com a sua espessura são classificadas em light, midweigth e heavy.



Os Liners são meias desenvolvidas para serem usadas em conjunto com uma meia normal para Hicking ou Trecking. São mais finas e ficam bem justas ao pé, como uma segunda pele.



A linha Multisport possui meias para corridas e pedaladas, na montanha ou em áreas urbanas. Todas possuem Coolmax na sua composição, garantindo eficiência na evaporação do suor e portanto mantém os pés sempre secos.
Na linha Walking, as meias desportivas são para caminhadas leves. Ideais para quem quer ficar em forma, ir ao ginásio e caminhar no parque. Assim como as meias Multisport, o seu principal componente é o Coolmax, que permite a eliminação do suor, mantendo os pés sempre secos.



As meias para desportos de Inverno, são adequadas para desportos de inverno como esqui e snowboard. Possuem reforços nos locais que sofrem maior abrasão dentro das botas, aumentando a durabilidade das meias. Também podem ser usadas de forma casual, apenas para proteger os pés do frio.



Para montanhismo, vamos apenas aprofundar as linhas Liners e Outdoor.

Linha Liners



Para actividades pesadas ou prolongadas, o ideal é utilizar dois pares de meia em conjunto, uma mais fina junto à pele e outra mais grossa que fará o contacto com o calçado. A primeira encarrega-se de transportar mais rapidamente a humidade para fora de forma a manter o pé seco. A segunda encarrega-se de além de extrair a humidade originada pela primeira meia, de manter o conforto nos pontos de maior esforço. Os Liners também são muito conhecidos pela capacidade que têm de evitar o aparecimento de bolhas, não apenas por diminuir a humidade dos pés, mas justamente porque actuam como uma segunda pele. Quando usamos meias grossas, os pés acabam por deslizar dentro da meia. Esse atrito entre o pé e a meia, por mais macia que esta seja, acaba causando bolhas. Porém, ao usar um Liner, o atrito dá-se entre a meia grossa e o Liner, resolvendo o problema.



As meias Coolmax, Liner e Polycolon Liner, podem ser usadas por baixo de outra meia mais grossa, diminuindo a probabilidade de formação de bolhas nos pés. Já a meia Thermolite Liner, além de diminuir a probabilidade de aparecimento de bolhas, também é usada como uma camada extra de isolamento, uma vez que o Thermolite ajuda a aumentar a temperatura.



Linha Outdoor


Dentro da linha Outdoor, encontram-se meias para caminhadas leves, como é o caso da Meia Trilayer Light Hiker, com acolchoamento parcial de pouca espessura da sola, confeccionado com sistema Trilayer em versões masculina e feminina, indicada para utilização nas duas estações mais quentes do ano mais o Outono.
Esta linha tem também meias para caminhadas moderadas, como a Meia Trilayer Midweight Hiker, que possui acolchoamento total de espessura média da sola. Confeccionada em três camadas, Poliester, Hidrofóbico (PrimaLoft), fibra natural (Lã de Merino) e Poliamida (Nylon), sendo indicadas para uso no Outono e Inverno.
Meias como a Trilayer Heavy Trekker, foram desenvolvidas para serem usadas em caminhadas pesadas. É um modelo unisex confeccionado com sistema Trilayer composto por três camadas, Poliester hidrofóbico (Primaloft), fibra natural (Lã de Merino) e Poliamida (Nylon), com grande espessura de acolchoamento da sola, e também indicadas para usar nas estações mais frias, como o Outono e o Inverno.Já a Meia Trekking & Expedition, é usada para caminhadas pesadas e expedições. O modelo Unisexo é confeccionado com 2 camadas de Polartec Power Stretch e uma camada intermédia de Primaloft. Este tipo de meias foram testadas em expedições efectuadas acima dos 8000 metros de altitude.


Dicas


È preferível usar dois pares de meias quando caminhamos, especialmente se tivermos botas de couro, pelo facto que os dois pares evitam o roçar do pé na bota, evitando desta forma a formação de bolhas nos pés. Convém levar sempre na mochila um ou dois pares de meias suplentes, para que se possam trocar durante as marchas. Se durante uma marcha formos trocando as meias do pé esquerdo para o direito e vice-versa, obteremos um resultado semelhante a trocarmos por uns pares novos. È importante manter as meias o mais limpas possível, visto que umas meias sujas isolam pouco, absorvem menos suor e aumentam a possibilidade de ganhar bolhas, de cretar os pés e contrair alguma doenças característica dos pés. Quando estamos de pé, o peso do nosso corpo comprime as meias eliminando mais ou menos todas as suas características de isolamento. O frio introduz-se rapidamente através da sola altamente condutora nas nossas botas, e antes que demos conta, teremos os dedos tesos de frio. As palmilhas têm a função principal além do conforto, de reter as camadas de ar imóvel que são tão importantes. Pelo que as palmilhas e os forros de neoprene das botas são importantes para manter os pés quentes.



Algumas características de tipos de meias técnicas


Merino – Lã muito fina de pelo de ovelha merino, originalmente criada em Espanha e mais tarde na França e outros países Europeus. Hoje em dia é produzida principalmente na Austrália. A lã de Merino é utilizada actualmente na maioria das meias em função das suas fibras longas e sedosas, que aquecem os pés e não causam comichão.


Italian Wool – Mistura contendo 50% de Lã de Merino e 50% de acrílico. Alia os benefícios da Lã de Merino (macias e poder calorífico) e as do acrílico (secagem rápida).


Tencel – É uma fibra de celulose feita a partir da polpa de madeira, um recurso natural e renovável que é retirado das florestas gerenciadas e auto-sustentáveis. Tencel é fabricado usando-se nanotecnologia, o que faz que as fibras possuam um alto poder de absorção e evaporação da humidade, sendo a fibra natural de maior eficiência. Além disso o Tencel possui características que o tornam um inibidor da proliferação de microorganismos natural.


Modal – Assim como o Tencel, o Modal é uma fibra de celulose a partir da polpa da madeira. É 50% mais higróscópico que o algodão, garantindo uma maior eficiência na absorção e evaporação da humidade dos pés.Natural Silk – A seda é uma fibra de toque suave, que aquece levemente e mantém os pés secos. Além disso, o seu volume é reduzido, fazendo com que a meia seja mais leve.





Algumas denominações técnicas de meias encontradas no mercado


Coolmax – É uma fibra de tecnologia única, especificamente desenvolvida para manter os usuários secos e confortáveis. Feito de poliéster, o coolmax possui uma grande área superficial. Esta fibra especial de 4 ou 6 canais, cria um sistema de transporte que puxa a humidade para longe da pele. A unidade evapora e portanto termo-regula o corpo por um processo conhecido como resfriamento evaporativo.


Coolmax Fresh FX – É a mesma fibra de Coolmax, porém com propriedades anti-microbianas, que mantém os pés secos e sem odor.


Thermolite – Fibra que mantém os pés secos e aquecidos, mesmo quando húmidos. É a fibra mais leve que confere maior performance quando se trata de aquecimento. As suas fibras ocas aprisionam o ar, que actua como isolante. Além disso, seca 20% mais rápido do que as outras fibras de isolamento e 50% mais rápido que o algodão.


Polycolon – É um fio de prolipropileno de alta qualidade, desenvolvido pela Schoeller Austria. O polycolon mantém a performance dos pés pois mantém-os secos por mais tempo. É leve e resistente. Pelo facto de ser hidrófobo, seca rapidamente.


Polartec – A mundialmente famosa fibra de Polartec, possui grande capacidade de isolamento térmico e é usada geralmente nas meias para alta montanha.PrimaLoft – É uma microfibra ultra fina (40% do tamanho da fibra de lã de Merino), desenvolvida de forma a ser um excelente isolante térmico. O PrimaLoft seca 30% mais rápido e transporta a humidade duas vezes mais rápido que a Lã Merino. A fibra PrimaLoft tem metade da espessura da Cashmere e é 2,5 vezes menor que a fibra de Lã Merino.





Curiosidades

. Quando somos crianças, possuímos umas pretuberâncias almofadadas na base do pé que amortecem e minimizam as cargas que se acumulam sobre o pé ao caminhar. Com o passar dos anos e devido ao apoio do nosso peso de maneira incisiva em vários pontos da nossa planta do pé, vamos perdendo esta protecção natural, o que vai provocando moléstia e dores nos pés. Porém estas moléstias podem ser maiores se os nossos pés forem excessivamente chatos ou côncavos, pois o arco plantar, que actua como amortecedor, perde a sua função.

. Um calçado pouco adequado exerce pressões e produz fricção ou o deslizamento do pé, o que produz queimaduras e ardor na pele. O movimento natural de andar também produz um sobredimensionamento da pele em cada apoio. A excessiva pressão causa uma ruptura das capas internas da pele, fazendo aparecer uma bolha. Num bom par de meias técnicas, a fricção do movimento que causa as bolhas ocorre dentro das fibras das meias e não nas capas internas da pele.

. O pé em actividade e no interior de uma bota de trecking transpira com uma intensidade média de 200 ml por cada hora, é o equivalente a um copo de água. Por este motivo devemos evitar usar meias de algodão que reduzem a transpiração e acumulam a água.

. Num pé adulto existem cerca de 250.000 glândulas sudoriparas, sendo um dos locais favoritos para o desenvolvimento de fungos e bactérias. A reprodução das bactérias nos pés durante a prática desportiva aumenta de forma geométrica até chegar às 6 horas, onde a reprodução se estabiliza. Assim ao fim de uma hora existem 89 bacterias por ml, ao fim de 2 horas existem 161 bacterias por ml, ao fim de 3 horas existem 256 bactérias por ml, ao fim de 4 horas existem 301 bactérias por ml, ao fim de 5 horas existem 308 bactérias por ml e ao fim de 6h existem 316 bactérias por ml. È uma luta desigual dos nossos pés contra tantas bactérias. No entanto existem dois sistemas para aniquilar as bactérias, os tratamentos químicos e a prata. Os tratamentos químicos são os mais utilizados e funcionam somente durante as lavagens dos pés, tendo uma resistência limitada em face do número de lavagens. A Prata é um fio de fibra revestido com uma capa de prata pura de forma permanente, sendo de momento o melhor sistema. A prata é o agente anti-bacteriano mais recomendado no meio médico e cientifico (filtros depuradores de água, contém oxigénio, ortodoncia, pediatria, urologia). Assim sendo, a prata tem imensas vantagens quando utilizada no têxtil, tendo uma função Antibacteriana – elimina mais fungos, vírus, protozoios e bacterias do que qualquer outro agente anti-bacteriano, prevenindo o mau odor e o pé de atleta. Anti-estático – Impede a acumulação de electricidade estática. Termorregulador – Usa a condutividade térmica da prata para regular a temperatura corporal em qualquer situação. Condutor terapêutico – A capacidade de condução eléctrica da prata combina-se com os campos magnéticos gerados pelo corpo humano, oferecendo benefícios similares aos que se obtém com a acupunctura. Para compreendermos um pouco melhor como actua a prata, convém informar que os iões da prata fixam-se na superfície das células das bactérias e impedem a respiração celular. Por outro lado, ao unir-se aos compostos de hidrogénio da sequência do ADN, destroem a estrutura helicoidal das células da bactéria. O resultado é garantido com uma acção protectora continua e permanente, inclusive após tirar-mos as meias e não apenas quando as temos calçadas. Segundo estudos e vários testes de meias com agentes de prata, constatou-se que 90% das pessoas tinham colónias de bactérias nos pés antes do seu uso continuado. Depois do seu uso, cerca de 92% das pessoas não apresentavam nenhum tipo de bactérias nos pés.

. Conta-se que o Rei Artur usava uma armadura de ouro. Lançelote preferia usar uma armadura de prata, a qual o protegia do odor resultante da excessiva soduração durante as batalhas. Por esta razão, Guinevere preferiu Lancelot em vez do Rei, que não devia cheirar especialmente bem.
Os famosos pioneiros e cowboys americanos usavam a prata devido ao seu poder desinfectante, concretamente para purificar a água que utilizavam repetidamente para tomar banho.

. No ano 500 a.c., Cyrus o Grande, transportava água em grandes cisternas de prata. Este procedimento evitava os danos por infecções durante as batalhas, as quais se prolongavam durante meses, percorrendo grandes distâncias.

. Actualmente utilizam-se chávenas de prata na medicina neonatal para prevenir infecções.

. A pasta dentífrica utilizada pelos dentistas também tem uma base de prata.

. A prata é um elemento eficaz para tratar queimaduras, uma vez que destrói bactérias e favorece uma reconstituição natural da zona tratada.

Resta-me desejar boas caminhadas com uns pés saudáveis.

Por: Amadeu Barros

3 comentários:

  1. se souberem indiquem ai lojas on-line que vendem desse tipo de meias

    ResponderEliminar
  2. Muito elucidativo o seu texto. Ajuda-me imenso. O meu agradecimento e ...bem haja!

    ResponderEliminar
  3. gostei tenho enderece em comercializa os produtos mande + informação,tabela fotos etc

    ResponderEliminar

comentários